Festival de Cinema com temática feminina volta a ser realizado em Chapada em 2018

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Foi em 2005, com vontade de movimentar a cena cultural de sua cidade do coração e de trazer à tona a discussão sobre gênero que a cineasta e jornalista Danielle Bertolini e sua mãe, Vera Lúcia Bertolini, professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e pesquisadora sobre violência contra a mulher, realizaram pela primeira vez o festival de cinema “Tudo Sobre Mulheres”. Ele aconteceu por cinco anos, mas a partir de 2011, por problemas financeiros e pessoais, foi cancelado. Agora, após um hiato de 8 anos, o encontro está confirmado, e vai acontecer de 5 a 9 de setembro, na praça central de Chapada dos Guimarães.

Danielle é formada em jornalismo, mas desde a faculdade trabalha com documentários. No currículo, estão sete filmes dirigidos por ela, além de trabalho na produção de diversos outros. A criação do Festival veio em um momento de decepção com o calendário cultural de Chapada. “Eu lembro que eu via que o Festival de Inverno com uma programação que a cada ano, ao invés de evoluir, não estava indo nesse sentido. Chapada é minha cidade do coração, e eu sempre quis fazer um projeto lá, e eu sei do potencial e da força de um festival de cinema”, contou a cineasta ao Olhar Conceito.

A temática feminina, segundo ela, foi decidida junto a sua mãe, mas acabou também influenciando seus próprios projetos. “Eu lembro que quando a gente conversou sobre fazer um projeto juntas, a ideia era eu entrar com o cinema e ela com a questão de gênero, de mulheres. Mas eu acho que essa proximidade acabou trazendo pra minha própria trajetória esse tema. Tanto que os meus filmes o feminismo está permeado em tudo”, confessa.

Aprovadas em editais, mãe e filha conseguiram realizar o festival por cinco anos, sempre homenageando um artista plástico e levando cerca de seis mil pessoas às cinco noites de exibições de documentários, animações e filmes de ficção, todos falando sobre o universo feminino.

Após cinco edições, no entanto, as duas decidiram parar. “Em 2011 eu não estava morando aqui”, lembra. “Em 2012 eu ganhei o edital pra fazer aqui do estado, mas foi um ano em que o governo não pagou os projetos. E aí eu decidi que eu não ia mais ficar dando murro em ponta de faca todos os anos, e que eu ia fazer o que eu queria, que era fazer filmes. E aí eu voltei pra parte de pesquisa e produção, foi quando eu voltei a produzir”.

O retorno

Em 2017, o Ministério da Cultura abriu um edital para festivais, e Danielle – em um momento da vida que acreditou poder conciliar os projetos pessoais com essa realização – decidiu se inscrever ‘para ver o que ia dar’. Aprovada, conseguiu R$120 mil para trazer de volta o ‘Tudo Sobre Mulheres’, e no momento busca parcerias com empresas que ajudam com serviços.

O festival será realizado de 5 a 9 de setembro, na Praça de Chapada. As inscrições começam em março, e serão aceitos filmes com menos de 30 minutos, de qualquer gênero, que falem sobre o universo feminino. Segundo a cineasta, este é um momento oportuno para a discussão. “Eu acho que a aqui [em Mato Grosso] a gente tem os índices de violência muito altos. É trazer luz pra essa questão da violência, do protagonismo feminino, e eu acho que é salutar em qualquer lugar, mas acho que aqui na região Centro Oeste, principalmente aqui em Mato Grosso, que é um estado que ainda tem um resquício machista forte, qualquer ação, e principalmente um festival de cinema que extrapola o cinema – a gente tem também teatro, música, performances, literatura – é muito fundamental”.

Artistas homenageadas

Regina Pena em lançamento do livro ‘Voo Solo’ (Foto: Reprodução)

Nos anos em que aconteceu, o ‘Tudo Sobre Mulheres’ já homenageou nomes como Adir Sodré e Dalva de Barros, que também tiveram suas telas entregues como troféus aos vencedores do e usadas nos cartazes do festival. No primeiro ano, em 2005, o homenageado foi o fotógrafo Izan Petterle, mas a tela entregue foi da artista plástica Regina Pena, que é o grande nome desta nova edição.

Danielle justifica: “Eu acho que a Regina tem uma conexão com Chapada, ela tem uma obra extensa ligada ao universo feminino e ela está com uma doença degenerativa, morando em um asilo. Acho que a gente não tem que esperar as pessoas morrerem pra homenagear, a gente tem que homenagear as pessoas em vida, e ela tem essa conexão não só com o Festival, mas com as mulheres e com a cidade de Chapada”.

A obra escolhida de Regina para ser a base do cartaz é ‘Voo Solo’, uma tela com uma mulher nua à beira de um penhasco. “Eu acho que ela representa muito, eu queria tentar traduzir esse momento que a gente está vivendo, dessa busca por uma representatividade feminina, das mulheres ocupando cada vez mais espaços”, explica a cineasta. “Esse edital do MinC, a gente tem pontuação para mulheres, para mulheres negras, índias, de outras regiões do Brasil… De certa forma é um pouco o nosso momento de fazer o nosso vôo solo enquanto mulheres”.

Além dela, também será homenageada a diretora de cinema Sara Silveira, da ‘Dezenove filmes’. “É uma produtora gaúcha radicada em São Paulo, uma mulher super conhecida do cinema brasileiro, uma das grandes lutadoras e guerreiras”, explica.

O Festival ‘Tudo Sobre Mulheres’ terá diferentes premiações, atividades artísticas de música, artes cênicas e performances, e também uma série de oficinas. A programação completa e o edital de inscrição será divulgado em breve.

Fonte: Olhar direto

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.